© 2018 Mulheres Cannabicas

August 7, 2019

February 22, 2019

February 5, 2019

Please reload

Posts Recentes

Terroir Amazonense

May 15, 2018

Aqui são apenas impressões dos becks cultivados pelos amazonenses que tive a oportunidade de experimentar.

Esses pitos não me morgam o corpo. Eles furam buracos no tempo presente e talvez esse seja seu maior perigo, o susto de cair da cabeça direto pra realidade. Ele chama uma presença dessas que uma floresta amazônica exigiria. Ao mesmo tempo sua leveza amansa todos os gestos. Sentar-se à mesa e prosear é praxe.

Café com açúcar. Um pito. Dois pito.

Plantando no quintal seu próprio pito perfumado. Folhas finas. Quais tipos de sinais não será que as cannabis amazonenses não compartilham com a floresta? Que terpenos não se sobrevoam e se encaixam por aí?

O terroir amazonense brinca com o tempo demais. O dia é infinito e breve. A chuva é diária. O verde é certo. E o cheiro de mato doce e fruta vagueia. Deve ser desafio distrair-se da vida pitando presença.   

 

 

O terroir amazonense e o tempo.

 

Um pito e muitas voltas

A natureza se engole a todo momento

A roda passa rápido

O presente e o tempo

Tudo se engolindo junto

 

O presente e o tempo

Tudo se engolindo junto

A roda passa rápida

Um pito e muitas voltas

A natureza que se engole a todo momento

 

A natureza se engole a todo momento

E a roda passa rápida

Um pito e muitas voltas

O presente e o tempo

Se engolindo junto

 

Um pito e muitas voltas

A roda passa rápida a todo momento

Tudo se engole junto

A natureza e o tempo

Um abocanha o outro por dentro

O pito e o presente

 

Pito esquecido

 

No meio da chuva ele surge

Espalhando fumaça branca pelas casas de madeira

Parece que a sua missão

Intimamente ligada ao hipocampo

É continuamente esquecida

 

Pito que costura

 

E assim se fuma

Se acende

Se passa

 

O pito que fura o tempo

Cria fio de si

E se costura até voltar pro presente

 

Pito que se amazônia

 

A cada pito da floresta

Cipó que enrosca os óio

Cigarra que zumbe os ouvido

Barulho de folha que cai

E cai junto pingo de chuva

Pinga na mesa

Pingagora

 

Pito uma encruzilhada

 

 

Dia de ir na mata

Sentar no meio da encruzilhada

E observar a trama delicada

Do presente que se traça

 

Pito presente

 

Esse pito não se deixa escorregar muito além do presente

Inevitavelmente longe o não estar aqui

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga